Capa » CIDADES » ACRE » AMPEB busca a flexibilização do decreto para que a igrejas retornem os cultos

AMPEB busca a flexibilização do decreto para que a igrejas retornem os cultos

Compartilhe:

Neste domingo,14, Dia do Pastor, o vereador Joelso Pontes fez uma vídeo conferência com alguns pastores de Brasiléia e Epitaciolândia para tentar buscar uma solução eficaz sobre o decreto que não permite as reuniões em templos evangélicos.

Comemorado por muitos no segundo domingo de Junho, o dia do pastor neste ano não teve muitos motivos para celebração, uma vez que há quase 4 meses as igrejas de todo o estado estão fechadas por conta da pandemia. Em uma vídeo conferência com os pastores membros da AMPEB ( Associação de Ministros e Pastores de Epitaciolândia e Brasiléia),  Joelso Pontes tentou trazer uma solução juntamente com os líderes, para que se possa haver uma volta gradual das reuniões.

Os cultos religiosos estão previstos constitucionalmente:

Com o decreto estadual e municipal, as igrejas ficaram impedidas de realizar reuniões (cultos), enquanto todas as outras atividades continuam a pleno vapor, sendo que algumas meio ainda que clandestinamente. Um projeto de Lei, criado pela Dr. Juliana (PR) foi aprovado por unanimidade na ALEAC (Assembléia Legislativa do Acre). Nele previa a volta das igrejas com as devidas precauções entre elas; o afastamento entre os assentos e a capacidade de membros por culto reduzida para 30%. Existem rumores que o Governador deverá vetar tal Projeto de Lei.

A equipe do Diário Fronteira conversou com o Pastor Presidente da AMPEB, Eliseu Soares Moreira e perguntamos como ele via o decreto em relação aos cultos. O Pastor respondeu:

Pr. Eliseu “…Meu amigo eu entendo que toda regra tem uma exceção meu ponto de vista e que a igreja tem um papel muito importante na sociedade e acredito que se houvesse uma flexibilidade por parte do estado e consequentemente por parte dos município poderíamos ajudar mais. Como sempre a igreja tem feito seu papel, os serviços que são feito pelas igrejas não são e nem podem ser substituído por nem um outro, pois acima de tudo recuperam vidas “.

Já o pastor Gustavo Heitor D. Silveira vice – presidente da AMPEB, quando questionado sobre o papel da igreja, disse:

“…Embora boa parte do poder público desconheça a  igreja realiza um gigantesco trabalho social, este trabalho social não é divulgado. Por que o comportamento da igreja diante de um trabalho social, é interno. E não pra ficar expondo!

Nossa equipe também conversou com o Pr. Anderson da Paz Church, e perguntamos; – E nesse período que está em vigor decreto a igreja adotou algum outro método de cultos ou simplesmente fechou as portas?

“…Nos adotamos outro sistema de trabalho enquanto passamos pelo período de decretos da pandemia. Optamos pelos cultos on line, no YouTube e Facebook, onde alcançamos um número muito grande de pessoas. Trabalhamos com células pelo aplicativo Zoom, e também orientamos as famílias a se reunirem em casa, onde nós disponibilizamos estudos para que eles reunidos em casa, estando em família, estudem a bíblia e adorem à Deus”.

Assim como estão acontecendo em outros estados e municípios, os pastores das igrejas querem voltar às boas obras, e concordam com os critérios de higienização previsto no Projeto de Lei da Dr. Juliana. Agora eles estão tentando marcar uma agenda com a Prefeita de Brasiléia e o Prefeito de Epitaciolândia, afim de tentar flexibilizar a volta das reuniões cristãs na fronteira.

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Sobre Edinho Levi

Editor de imagens, operador de camêra, Coordenador de Programação, Master e formando de Jornalismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*