Capa » BRASIL » Um contra todos. Todos contra ele!

Um contra todos. Todos contra ele!

Compartilhe:

Desde a última quarta-feira, 15, uma matéria votada na Câmara dos Deputados Federais em Brasília está repercutindo nas redes sociais, de um lado o Deputado André Janones do AVANTE-MG e do outro quase toda a bancada do Estado do Acre. O motivo, seria a possível votação da prorrogação do auxílio emergencial até dezembro.

A AÇÃO

Na quinta-feira, 16, um dia após a votação da PL 2801/20, o deputado do AVANTE-MG, postou o seguinte na sua Fan Page do Facebook:

“Muitos me pedindo pra postar os NOMES DOS DEPUTADOS que votaram CONTRA e A FAVOR de pautar prorrogação do AUXÍLIO EMERGENCIAL até DEZEMBRO!

Então, pra não deixar dúvidas, segue a lista OFICIAL, publicada pela própria câmara dos Deputados!”.
Essa postagem continha o link do portal da Câmara dos Deputados e nele o resultado da votação da PL 2801/20 e a rejeição da pauta sobre a Emenda nº 3.  Em outra postagem, André Janones foi ainda mais incisivo quando disse:
“A emenda rejeitada essa semana pela câmara dos Deputados, foi a ÚNICA que chegou ao plenário e que, se acatada, obrigaria o governo a estender o auxílio emergencial até dezembro. Ao rejeitá-la, não se permitiu sequer que o assunto fosse colocado em votação.
Quem votou contra, tem duas opções: admitir que votou contra o povo, ou dizer que votou “enganado”, mas NÃO OUSE, em nenhuma hipóstase, dizer que estou postando fake news!
Tenho muito zelo pelo meu trabalho, estudo e repasso todas as matérias com minha assessoria antes de votar, justamente pra não votar errado e não divulgar nenhuma fake news, por isso, sugiro aos políticos que lavem a boca pra falar de mim, e não me desafiem, ou faço uma live de 10 horas de duração, falando o nome de um por um dos que votaram contra!
E podem me ameaçar, fazer cara feia o escambau. Não devo nada pra político nenhum, então estou me lixando! A única opinião que me interessa é a que Deus e o povo tem sobre mim, e não a dessa corja!”.
E não deu outra, as redes sociais foram tomadas pelas declarações do Deputado que alegou perseguição política após trazer à tona o conteúdo da votação.

A REAÇÃO

A primeira a se manifestar nas redes sociais, foi a Deputada Acreana pelo PSDB, Mara Rocha que disse o seguinte:

“Amigos, infelizmente temos que perder tempo desmentido inverdades postadas nas redes sociais. Quem acompanha o trabalho sério que venho executando, sabe do meu compromisso e da minha responsabilidade para com o povo acreano e brasileiro. As mentiras e os ataques inescrupulosos virão, mas a verdade sempre prevalecerá”. 

 Logo depois, o Deputado Federal Alan Rick (DEM-AC), se manifestou através de uma postagem na sua Fan Page, dizendo:
“Votamos e aprovamos no dia 26 de março a criação do auxílio emergencial em amplo debate com o Governo do presidente Bolsonaro para garantir o pagamento durante três meses o auxílio emergencial de R$ 600,00. Inicialmente o Governo propôs apenas R$ 200,00 de auxílio. Mas num esforço do Congresso e do Governo, foi aumentado pra R$ 600 reais com previsão orçamentária.
Em 16 de abril, estendemos, na Câmara e Senado, o auxílio emergencial para mais de 20 categorias que incluíram: –Pescadores profissionais artesanais e os aquicultores;
– Agricultores familiares;
– Arrendatários, extrativistas, silvicultores, beneficiários dos programas de crédito-fundiário, assentados da reforma agrária, quilombolas e demais povos e comunidades tradicionais;
– Técnicos agrícolas;
– Trabalhadores das artes e da cultura, entre eles, os autores e artistas, de qualquer área, setor ou linguagem artística, incluindo intérpretes e executantes, e os técnicos em espetáculos de diversões;
– Cooperados ou associados em cooperativa ou associação de catadores de materiais recicláveis;
– Taxistas e mototaxistas;
– Motoristas de aplicativo;
– Motoristas de transporte escolar, trabalhadores do transporte de passageiros regular, microempresários de vans e ônibus escolares;
– Caminhoneiros;
– Entregadores de aplicativo;
– Diaristas;
– Agentes de turismo e guias de turismo;
– Seringueiros;
– Mineiros;
– Garimpeiros definidos como aqueles que, individualmente ou em forma associativa, atuem diretamente no processo da extração de substâncias minerais garimpáveis;
– Missionários de confissão religiosa e profissionais assemelhados.
Justamente por não ter previsão orçamentária o Governo vetou essas categorias.
No dia 30/06, mediante apelo de vários parlamentares, inclusive nosso, o governo prorrogou por mais dois meses, julho e agosto, diante da permanência do fechamento do comércio na maioria das cidades brasileiras.
Governo e Congresso trabalham para garantir o pagamento do auxílio aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados, e tem, por objetivo, fornecer proteção emergencial neste período de pandemia de Covid-19.
Na quarta-feira, 15/07, aprovamos o projeto que estabelece que o auxílio emergencial de R$ 600 não pode ser penhorado ou sofrer qualquer bloqueio judicial, exceto no caso de pensão alimentícia. Durante o debate desta matéria, a Oposição ao Governo tentou inserir uma “emenda jabuti” que não estava prevista na votação inicial propondo a prorrogação do auxílio emergencial SEM a apresentação pelo Governo da previsão orçamentária.
Nesta quinta-feira, 16/07, aprovamos também o auxílio emergencial aos atletas e profissionais do esporte durante a pandemia, sempre em concordância com o Governo.
Toda matéria que propõe gasto de recurso tem que vir com a previsão Orçamentária, do contrário o governo veta. E exatamente por não ter sido debatida com o governo, os deputados rejeitaram a emenda “jabuti” que era só uma enganação ao povo.
No momento em que o Governo apresentar a previsão orçamentária nem precisará ser votado pela Câmara, pois pode prorrogar por decreto.
Não caia em mentiras!”.
Jessica Sales, Deputada Federal pelo MDB-AC, usou das redes sociais para simplesmente divulgar a aprovação da PL2801/20 que seguirá para o senado. Ela disse o seguinte:
“Meus queridos! Aprovamos o PL 2801/20, que proíbe a penhora, bloqueio ou desconto do auxílio emergencial para pagamento de dívidas ou prestações, exceto em caso de pensão alimentícia; o PL 2500/20, que isenta de penalidades o não cumprimento de contratos públicos, protegendo os gestores diante da dificuldade de concluir obras na período de pandemia; e o PL 1581/20, que regulamenta acordo para pagamento de precatórios federais (pagamentos de processos por condenação judicial) com descontos, e esses, destinados ao combate à Covid-19. Todos esses projetos seguem para votação no Senado Federal.
Tenham todos uma ótima noite, até amanhã ??“.
Até o fechamento desta matéria, não foi possível identificar a manifestação de qualquer outro Deputado da bancada Acreana sobre o assunto nas redes sociais dos mesmos.

ENTENDENDO MELHOR O ASSUNTO

Depois de tanta repercussão o site Folha5 lançou uma matéria explicativa, com direito a um vídeo sobre o tema veja:

Agora tire suas próprias conclusões sobre quem está falando a verdade ou não. Contudo, se faz necessário ler o conteúdo da PL2801/20 e da Emenda Nº03 que também está disponível no site: https://www.camara.leg.br/noticias/676524-camara-aprova-proposta-que-impede-bloqueio-judicial-do-auxilio-de-r-600/

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Sobre Edinho Levi

Editor de imagens, operador de camêra, Coordenador de Programação, Master e formando de Jornalismo.

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*